quinta-feira, 25 de setembro de 2008

Os primeiros passos


Já consegui ter a consulta com a minha médica, para ela me passar as primeiras análises e fazer a 1º ecografia. Ficou marcada para dia 6 de Outubro, entretanto terei que fazer as análises para as levar à consulta, que também está marcada para dia 20 do mesmo mês.

domingo, 21 de setembro de 2008

Já tenho a resultado!

Já fiz hoje o teste logo de manhã!
Já tinha algumas suspeitas!

Meu Deus, concretizou-se, deu positivo!

Estou muito contente!
Tenho que ser cautelosa, quero que seja desta!
Amanhã vou fazer o teste sanguineo, que a minha médica passou e marcar consulta com ela!

Um grande atraso!


Já faz quinze dias que estou "atrasada". Já tenho alguns sintomas e estou desconfiada duma coisa, mas com o teste de gravidez terei a certeza!

terça-feira, 16 de setembro de 2008

Hoje é dia de festa!


Faz um mês que a minha amiga teve o seu bébé! Nasceu a 16 de Agosto às 8.35 da manhã, chama-se Afonso, que nome bonito!
Parabéns amiga, tudo te corra pelo melhor e vou lendo as novidades no teu blog!

IVF Fashion


Segundo o blog da APF, foi publicada este "baseball jersey" da colecção Outono/Inverno da linha exclusiva “IVF Fashion.

segunda-feira, 15 de setembro de 2008

Eis as fotos...







Madonna em Lisboa: 75 mil pessoas assistiram ao concerto no Parque da Bela Vista

O Concerto foi muito bom,estava repleto de gente. Cheguei ao Parque da Bela Vista eram quase 17h,já estava um imenso mar de gente nas filas. As portas só abriram eram 17h30, mas para eu lá chegar iria passar quase uma hora. A partir da abertura das portas as coisas já fluiam um pouco, a passo de caracol. Passado então quase um hora lá consigo eu entrar. Primeiro apreceu uma cantora sueca chamada Robyn, actuou durante 30 minutes, depois apereceu Madonna.
Aqui ficam alguns videos desse memorável epectaculo:

Vogue:
Lisboa 14/09/2008


Get stupid & 4 minutes


A rainha da pop faz a sua entrada em palco sentada num trono e ao som de «Candy Shop», tema que dá nome ao seu mais recente álbum, editado em Abril deste ano. Os bailarinos acompanham-na na coreografia, que tem como adereço nada menos que um Rolls Royce descapotável e muito lustrado. O luxo, o beat e a dança apresentam-nos uma Madonna vestida de negro e transparências, e com os biceps esculpidos.

O alinhamento desta digressão Stick & Sweet, começava assim a ser cumprido a régua e esquadro. Seguiu-se «Beat Goes On», featuring o rapper Pharrel, que a acompanhou em vídeo gravado através das imagens que passavam nos ecrãs gigantes montados no palco, estilo videoclip
Em algumas dessas imagens, quando interpretava «Human Nature», pudemos ver Britney Spears numa sala fechada, como se fosse uma cela, a agonizar, imagens essas que coincidem com o final da música e com uma lapidar frase final de Madonna: «Im not your bitch!». Fica o recado dado.

«Vogue» foi a música que se ouviu a seguir
O espectáculo continua mais ou menos non-stop. Em «Die Another Day» não vemos a cantora em palco, mas sim nas imagens multimédia que passam nos ecrãs, e que a mostram a lutar contra ela própria num ringue de boxe. Em cima do estrado, apenas a performance de dois bailarinos num ringue que não nos deu um vencedor. Madonna foi mudar de roupa.

Dividido em quatro partes, o espectáculo da digressão Sticky & Sweet completava aqui a parte «Pimp». A seguir, viriam ainda as restantes: «Old School», «Gypsy» e «Rave».

Vestida de cor-de-rosa, num mini-fato-de-treino (que só pode ser assinado por Stella McCartney), Madonna salta à corda como uma criança e canta «Intro The Groove». Segue-se «Heartbeat» e pega na guitarra eléctrica para cantar «Borderline», numa versão muito metaleira, mas que o público reconheceu e acompanhou com palmas.
Interpreta a seguir «Shes Not Me» rodeada por muitas «clones» que recriam a cantora nas suas diferentes fases do passado. A todas ela rejeita, empurrando, tapando ou despindo-as - acabando por se atirar ao chão, como se, num tom de ironia, tivesse sido vencida por tudo o que já foi. Depois, vai gatinhando até ao fundo do palco e «ressuscita» com «Music».

Começa a parte cigana (ou «Gypsy») e Madonna pergunta se hablamos espanol.
Rodeada de amigos que tocam violinho ao estilo Gogol Bordello, e no meio de uma explosão de dança e cor, Madonna canta «Spanish Lesson», «Miles Away» e um dos temas melhor correspondidos pelo público - «La Isla Bonita». E não é difícil perceber por quê?
A rainha da pop fecha o terceiro acto com «You Must Love Me», muito ao estilo Evita Péron, e prepara-se para a festa «Rave» final. Deixa de estar centrada em si para interpretar «Get Stupid» e mostrar-nos um videoclip com imagens dos conflitos e principais tensões no mundo, como a repressão aos tibetanos ou a fome, intercalando com imagens de políticos - especial atenção para a foto do democrata Barack Obama.
No alinhamento do concerto surge-nos agora o hit deste último álbum, «4 Minutes», seguido por outros mais antigos: «Like A Prayer» e «Ray of Light».
Madonna levanta os braços e incita às palmas. Foi perguntando o que queriam ouvir, trauteando alguns acordes de «Express Youself».
o espectáculo fechou com «Hung Up» e «Give It 2 Me», em versões de apocalíptico rock e sem dúvida uma experiência diferente para a voz de Madonna - diferente, mas muito interessante.
Repleto de efeitos multimédia do princípio ao fim, lia-se agora «game over» na imagem que permaneceu em palco.

Miles away:Lisboa 2008

domingo, 14 de setembro de 2008

É hoje o grande dia...




do concerto do ano. Depois contarei como foi!

sábado, 13 de setembro de 2008

O maior espectáculo do Mundo






A mais recente digressão de Madonna, ‘Sticky & Sweet’, chega amanhã a Portugal com o rótulo de maior produção de sempre de um artista a solo em território nacional. Mas porque falamos de Madonna os créditos não ficam por aqui. O espectáculo deu que falar logo na sua estreia, no passado dia 23 de Agosto, em Cardiff, e provocou a ira de republicanos e judeus por causa de um vídeo exibido no tema ‘Get Stupid’, que passa imagens sobre aquecimento global, destruição, Adolf Hitler, Robert Mugabe e John McCain.


O partido republicano norte-americano decidiu não esperar pela chegada da digressão aos EUA e emitiu logo um comunicado acusando a cantora de estar a fazer campanha por Barack Obama. “As comparações são ultrajantes, inaceitáveis e cruéis . Está claramente visível que quando se trata de apoiar Obama, os seus amigos celebridades não têm limites”, lia-se. Da mesma forma, também o partido judeu manifestou o seu repúdio. “Considero que a tentativa de comparar John McCain a Hitler constitui um insulto para todos os americanos”, escreveu um dos seus representantes.
Polémicas à parte, a verdade é que ‘Sticky & Sweet Tour’ vai permitir amanhã a cerca de 75 mil pessoas ver uma das maiores artistas de sempre na melhor da sua forma, apesar dos seus 50 anos. “As suas nádegas estão tão firmes que parecem capazes de esmagar uma noz, as suas pernas são musculadas como as dos cavalos e os seus braços fazem inveja a qualquer ginasta”, escreveu um jornal britânico, que considerou esta “a primeira digressão que Madonna faz para gozo próprio”.

OS NÚMEROS

Como qualquer diva que se preze, Madonna traz para Lisboa o seu fiel séquito de colaboradores. A equipa da rainha da pop é constituída por 250 pessoas, que ficam instaladas em diversos hotéis da capital, para satisfazerem a cantora em funções tão diferentes como a cozinha, a quiroprática e massagens.
Depois da cabala, Madonna aderiu recentemente à quiroprática, uma ciência que se define como a arte de curar e prevenir a doença através da biomecânica da coluna vertebral e a sua articulação com outros sistemas: neurológico, vascular, muscular, o esqueleto e a nutrição. E claro que Madonna não dispensa fazer-se acompanhar de um ‘mestre’ nesta prática, para o que der e vier. Mas nos bastidores da ‘Sticky & Sweet Tour’ há qualquer coisa como 16 ‘chefes’ só para o catering, um treinador pessoal, um massagista, 36 responsáveis pelas 3500 peças do guarda-roupa (cinco deles ajudam Madonna a mudar de indumentária, tarefa que ocupa, no máximo, um minuto e meio), 28 técnicos de palco e até três ciganos romenos para um quadro acústico. Neste longo ‘staff’ encontram-se representadas 20 nacionalidades.

ENSAIOS

Entre músicos e bailarinos, em palco chegam a estar meia centena de pessoas que ensaiaram 653 longas horas para que o espectáculo de Madonna faça jus ao rótulo do ‘ maior do Mundo’.

'PATROA' EXIGENTE

Os castings para a selecção do corpo de bailarinos de Madonna foram anunciados em jornais de todo o Mundo, no final do ano passado. As provas decorreram em Los Angeles, em Dezembro, com a participação de quase um milhar de artistas. A par dos músicos, é com eles que Madonna é mais exigente: não há lugar para falhas e qualquer erro no momento da actuação pode valer o passaporte de regresso a casa.

TRAZ OS FILHOS
Artista extravagante, polémica e rebelde, Madonna não deixa, no entanto, de ser uma mãe como qualquer outra, sempre desejosa da companhia dos seus filhos. Por isso mesmo, e apesar de ter várias amas a trabalhar para si, a cantora decidiu não deixar os filhos em casa e trazê-los para Portugal. Segundo a Vidas apurou, Madonna exigiu mesmo à produção um camarim junto ao recinto do espectáculo para que Lourdes, Rocco e David possam ficar confortavelmente instalados durante todo o concerto.
A decoração do espaço estará, no entanto, toda ela a cargo da própria rainha da pop, que desde logo avisou os responsáveis portugueses que era ela quem traria todos os apetrechos, provavelmente para evitar excessos por parte da produção. É que, apesar de passar grande parte do seu tempo fora de casa, Madonna já fez saber publicamente que é uma mãe muito atenta à educação dos seus filhos e pouco permissiva com excessos. Em Abril, a cantora afirmou mesmo a uma revista alemã que não deixa, por exemplo, que os seus filhos vejam televisão ou comam doces. “As crianças precisam de limites, porque senão ficam loucas” disse.
Mesmo sabendo que é um alvo ainda mais apetecível quando anda com os filhos, Madonna já afirmou que não deixará de passear com Lourdes, Rocco ou David por causa dos paparazzi. “Nunca deixarei de fazer a minha vida com os meus filhos só por causa dos repórteres fotográficos”, afirmou em tempos.

Fonte:Correio da Manhã

segunda-feira, 8 de setembro de 2008

Dia de tirar sangue

Hoje fomos ao Hospital Santa Maria tirar sangue para analisar os cariótipos, analisar os nossos cromossomas. Isto de ser Hospital Público implica que os resultados só saiam daqui a três meses!

SÓ depois terei uma consulta onde, aí sim, me dirão as directrizes sobre o que irer fazer!

Até lá vamos "praticando", e depois logo se verá!
O que é preciso é ter calma, esperança e muita fé!

sábado, 6 de setembro de 2008

Um Olhar.... sobre a Infertilidade

O presente artigo constitui-se como uma visão sobre a infertilidade, evidenciando as etapas e dificuldades vividas pelo casal.
Falar um pouco sobre a infertilidade implica compreender a natureza deste fenómeno. Uma primeira distinção a realizar é a diferença entre esterilidade e infertilidade. Ser estéril significa que não existe possíbilidade de engravidar devido à ausência da produção de células reprodutoras. Por outro lado, a infertilidade não requer a ausência completa da capacidade de produção de células reprodutoras, ou seja existe a possibilidade de engravidar. Após esta distinção é necessário perceber quando é que se pode falar de infertilidade. Dois meses, três meses, seis ....
De facto só podemos falar de infertilidade se ao fim de 12 meses sem utilização de qualquer método cantraceptivo não se consegue uma gravidez.
Confirmado este diagnóstico segue-se uma nova etapa, a procura de causas. A "procura do culpado?". Inicia-se assim uma longa caminhada de análises, testes, de modo a chegar a um diagnóstico final.
Os casais passam a viver na busca de um filho o que acarreta ansiedade, frustação, podendo até culminar no desespero e até mesmo, eventualmente num estado depressivo. A harmonia e a estabilidade da relação podem sofrer abalos dado que face à novidade, ao místério da situação se culpem e responsabilizem um ao outro, na tentativa de aliviar a culpabilidade e encontrar desesperadamente causa para toda esta situação. Nesta etapa, a pressão por ter um filho pode levar não só a abalos na relação do casal como impeli-los para tratamentos inapropriados, tentativas falhadas que culminam no endividamento e no esgotar das consecutivas e alternativas terapêuticas.
Os tratamentos por si só geram expectativas e frustrações e os casais devem receber orientação adequada. Um aspecto importante é que mais que o filho querido deve haver amor entre o casal. Quando esta dimensão não tem o relevo suficiente podem ocorrer rupturas no seio da família; tudo que não se pretende que ocorra.
O erro em todo este processo é que o desejo de ter um filho passe a comandar a vida do casal, o que em conjunto com o stress e as tentativas falhadas podem levar à diminuição do desejo sexual e consequente a oportunidade mágica de ter um filho. Gera-se um ciclo vicioso em que agora o acto sexual passa de a satisfação de uma necessidade de amor, para ser prejudicado pela obrigatoriedade de ter que ser feito para engravidar. A sua frequência, por outro lado, pode ser condicionada pelo período mais fértil do casal, o que contraria a fisiologia da satisfação com uma relação sexual.
A magia perde-se...
Por tudo isto, a infertilidade origina uma sobrecarga psicológica muito elevada para o casal e existem condições em que pode mesmo gerar a ruptura da relação do casal. A sociedade, a família e os amigos por vezes também não ajudam... dado que muitas vezes a infertilidade é vista como uma falha na tarefa de ser mulher e deste modo ser excluída da sociedade.

O poder das palavras

 O presente artigo pretende ser uma reflexão, acerca da importância da linguagem que utilizamos no nosso dia a dia, sua pertinência, sentido e importância.
Nos nossos dias face à mais variedade de situações, usamos uma série de vocábulos de índole perjurativa, tias como: problema, dificuldade....e tantos outros...
Na infertilidade ocorre o mesmo...
A sociedade, bem como os diversos especialistas referem-se a este fenómeno como um PROBLEMA... no entanto a infertilidade não é de forma alguma um problema, nem uma doença...é uma situação, um acontecimento de vida...
O primeiro passo para a evolução no sentido favorável é perceber que a infertilidade não é de forma alguma um problema nem mesmo um handicap de nenhum dos membros do casal.
Claro que não se trata de uma situação aparentemente fácil de lidar, não é pacífico aceitar de que não se trata de um problema, dado que modifica a vida de um casal, bem como, nalguns dos casos, de toda a família.
A esta altura perguntam-se como é que não é um problema, uma doença, se toda a vida muda?
Parem e pensem...


Ao consultarem um dicionário constatam que a definição de problema não traduz a situação que vivênciam...
Com a evolução dos tempos e da ciência, hoje a Infertilidade não é de forma alguma um problema, trará dificuldades, mudanças, com certeza, mas terá sempre em vista um final feliz.
Acreditem!
A infertilidade é apenas um acontecimento de vida com contornos rebuscados mas não é de forma alguma um PROBLEMA ou DOENÇA.
 
Dra. Vera Abrantes (Psicóloga Clínica, FPCE-UL)

Carla Paiva (Animadora Sociocultural, IPG; Finalista do Curso de Psicologia ISPA)

Voz emprestada: Maternidade tardia


Publicado em Infertilidade por APFertilidade em 31 Agosto 2008

No começo eu pensava estar acima de qualquer coisa. Você se apresenta, o médico lhe mostra uma gama de opções de alta tecnologia e essa é uma coisa poderosa _a promessa de um filho. Mas antes que perceba você já fracassou pelo terceiro ano consecutivo e está começando a se sentir usada e abusada, sem mencionar que você está quebrada. Você se senta nas clínicas de reprodução cujas paredes estão cobertas de figuras de bebês, mas a despeito do fato de que está tentando tão duramente quanto sabe, não consegue nenhum daqueles bebês.

Não estou mais segura de que essa tecnologia seja remotamente um fato de poder. Você pega uma mulher da minha geração, alguém que é certamente realizada, mas que está em seus 40 anos e não tem um filho. Essa tenologia se torna uma maneira de dizer a ela que qualquer coisa que realizou não é o bastante. E então, quando ela fracassa em conseguir ficar grávida_e a maioria fracassa_ isso apaga seu senso de competência profissional e sua confiança como mulher. Sei que esses procedimentos deixaram-me mais deprimida que qualquer outra coisa em minha vida”.

O relato acima é de Wendy Wasserstein, uma das mais premiadas autoras de peças da Brodway, que durante dez anos lutou para conseguir gerar um bebê. Consegui tê-lo aos 48 anos, com óvulos doados. A menina Lucy nasceu prematura, aos seis meses de gestação.

O depoimento faz parte de um livro bem interessante que estou lendo chamado “Maternidade Tardia”. Na obra, a autora Sylvia Hewlett constata que quanto mais bem-sucedida profissionalmente é a mulher, mais dificuldades ela encontrará para achar um parceiro ou ter um bebê. E o mais triste: essa situação não foi uma escolha delas. Simplesmente o tempo passou e e elas estavam ocupadas demais para perceber isso.

(Versão completa: http://claudiacollucci.blog.uol.com.br/ )

Ontem foi dia de consulta...

No Hospital Santa Maria! Desta vez foi o chefe de serviço de ginecologia que me atendeu! Foi muito simpatico comigo!Depois de ler a minha ficha, disse-me tudo o que foi feito na cirurgia! Marcou-me mais análises ai sangue, desta vez é para ver os cariotipos! Depois dos resultados destes terem saído, terei que ter nova consulta, para fazer um plano a curto prazo!

Até lá!

Nuvem da Infertilidade


Aqui fica a “Nuvem da infertilidade”, construída pela comunidade APF. A todos os que participaram, os nossos agradecimentos. O tamanho das palavras está relacionado com a frequência com que apareceram na nossa lista. Como podem constatar, nem tudo é negro na “Nuvem da Infertilidade”; também há clareiras e palavras com força positiva.

Desafio: Fica ainda o convite a todos os nossos amigos, para que copiem esta imagem, com link para o Blog APFertilidade. Vamos pôr a nossa nuvem a circular pelo ciberespaço, ilustrando os sentidos e as emoções da infertilidade.

PS: Deixem dp. comentário aqui, para fazermos uma visita ao blog da associação!